Vá com Deus

Chico Xavier enviando beijoO Chico veste-se humildemente. Possui apenas dois ternos, um do uso e outro da reserva. Certo Médium de São Paulo, que o visitava, vendo-o tão mal vestido, exclama:
— Pensava em encontrá-lo, como o maior Médium de todos os tempos, bem-vestido, bem “alojado”, vivendo uma vida folgada e o encontro assim, maltrapilho. Não está certo. Precisamos fundar a Sociedade dos Médiuns. O Chico sorri e nada responde…
Lembrando-se, conosco, deste caso, pondera-nos:
— Vivo assim e sempre hei de viver, enquanto estiver aqui, vivendo a minha prova. E ainda assim me criticam, achando-me rico, com dinheiro nos bancos. Imagine se vivesse diferentemente, o que não diriam. Depois, reportando-se ao passado, conta-nos:
Tempos atrás, passou momentos críticos. Um infeliz irmão, dado ao vício de tirar coisas alheias, entrou no seu quarto e, na sua ausência, levou-lhe o único terno, que possuía de reserva.
Ficou aflito mas não desesperado. Seus irmãos, sabendo do acontecido, reagiram.
Combinaram uma armadilha para pegar o viciado, certos de que ele voltaria, tanta facilidade encontrou para agir. E fizeram uma trouxa de roupas usadas e a colocaram à janela de seu quarto, bem à vista. Traduzindo-lhe as intenções, ofereceu-lhes o Chico para ficar de guarda. Aceitaram. E por algumas noites, vigiou. Quando menos esperava, alta hora da noite, vê alguém entrar no seu quintal, dirigir-se à sua janela, pegar na trouxa e levá-la. Deixou passar alguns minutos e, depois, deu o alarme. Levantaram-se os familiares apressadamente, inteiraram-se do roubo, e deram uma busca. Tudo em vão. Não encontraram o ladrão.
— Mas, Chico, como deixou o ladrão fugir, advertiu-lhe um dos irmãos.
— Estava cansado e dormi. Quando acordei já a trouxa não estava na janela, respondeu-lhe.
Mas, todos, ficaram contrafeitos, achando que, diante do acontecido, não deviam ter dó do Chico; que, por castigo, deveriam deixar que ele andasse só com um terno, até que, de sujo, se apodrecesse no seu corpo.
O caso morreu. Uma tarde, vinha o Chico na sua charrete, de volta da Fazenda, quando alguém fê-lo parar e lhe implora:
— Irmão Chico, pare, desejo lhe pedir perdão.
— Perdão de quê, meu irmão.
— Fui eu quem lhe roubou as roupas. E, quando fui verificá-las, encontrei seu bilhete, que me tocou o coração, pois que me dizia: vá com Deus! E até hoje sinto que estou com Deus e Deus está comigo e não posso roubar mais.
O Chico abraçou-o comovido, perdoou-lhe a falta e, satisfeito por vê-lo reformado, tornou a dizer-lhe:
— Vá com Deus, meu Irmão!

Ramiro Gama