O Missionário

Pés sangrando no trilho solitário
Dilacerado, exânime, proscrito,
– Ave do sonho em monte de granito –
Assim passa no mundo o Missionário.

Incompreendido e estranho visionário,
Contendo, a custo, o peito exausto e aflito,
Vai carregando as glórias do Infinito,
Entre as chagas e as sombras do Calvário.

Longas jornadas, ásperos caminhos,
No campo de grilhões, trevas e espinhos,
Onde semeia o trigo da Verdade!…

Virão, porém, os dias da colheita
E os celeiros da luz pura e perfeita,
No Divino País da Eternidade!

Cruz e Souza, psicografia de Chico Xavier,
em Pedro Leopoldo, 31.03.1944