Advento do Espírito da Verdade

ESPÍRITO DA VERDADE, Paris, 1860

5. Venho, como outrora, entre os filhos desgarrados de Israel, trazer a verdade e dissipar as trevas. Escutai-me. O Espiritismo, como outrora a minha palavra, deve lembrar aos incrédulos que acima deles reina a verdade imutável: o Deus bom, o Deus grande que faz germinar as plantas e levanta as ondas. Eu revelei a doutrina divina; e, como um segador, liguei em feixes o bem esparso pela Humanidade e disse: "Vide a mim, todos vós que sofreis”!
Mas os homens ingratos se desviaram da estrada larga e reta que conduz ao Reino de meu Pai, perdendo-se nas ásperas veredas da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana. Ele quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, ou seja, mortos segundo a carne, porque a morte não existe, sejais socorridos, e que, não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a voz dos que se foram se faça ouvir para vos gritar: Crede e orai! Porque a morte é a ressurreição, e a vida é a prova escolhida, durante a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e desenvolver-se como o cedro.
Homens fracos, que vos limitais às trevas de vossa inteligência, não afasteis a tocha que a clemência divina vos coloca nas mãos para iluminar vossa rota e vos reconduzir, crianças perdidas, ao regaço de vosso Pai.
Estou demasiado tocado de compaixão pelas vossas misérias, por vossa imensa fraqueza para não estender a mão em socorro dos infelizes extraviados que vendo o céu caem nos abismos o erro. Crede, amai, meditai todas as coisas que vos são reveladas; não mistureis o joio ao bom grão, as utopias com as verdades.
Espíritas: amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo. Todas as verdades se encontram no Cristianismo; os erros que nele se enraizaram são de origem humana, E eis que, do além-túmulo, que acreditáveis vazio, vozes vos clamam: Irmãos!' Nada perece. Jesus Cristo é o vencedor do mal; sede os vencedores da impiedade! (1)
(1) Esta comunicação figura, com redação um pouco mais extensa, no cap. 31 de O Livro dos Médiuns, assinada por Jesus. Analisando-a, Kardec explica nada haver encontrado, no conteúdo e na linguagem, que desmerecesse o nome. Mas considera o respeito devido ao “Espírito puro por excelência", que é Jesus, e não endossa a sua autenticidade. Mais tarde a inclui neste livro, assinada pelo Espírito da Verdade. Sabemos que ele não tomava decisões dessa gravidade sem ouvir os Espíritos. A mensagem é importante e sua inspiração pode ser do Mestre, mas a transmissão deve ser do Espírito da Verdade. É possível que o médium empolgado pela vibração superior, tenha influído na assinatura, que foi mais tarde corrigida. (N. do T.)

ESPÍRITO DA VERDADE, Paris, 1861

6. Venho ensinar e consolar os pobres deserdados. Venho dizer-lhes que elevem sua resignação ao nível de suas provas: que chorem, porque a dor foi consagrada no Jardim das Oliveiras, mas que esperem, porque os anjos consoladores virão enxugar as suas lágrimas.
Trabalhadores, traçai o vosso sulco. Recomeçai no dia seguinte a rude jornada da véspera. O trabalho de vossas mãos fornece o pão terreno aos vossos corpos, mas vossas almas não estão esquecidas: eu, o divino jardineiro, as cultivo no silêncio dos vossos pensamentos. Quando soar a hora do repouso, quando a trama escapar de vossas mãos, e vossos olhos se fecharem para a luz, sentireis surgir e germinar em 'vós a minha preciosa semente. Nada se perde no Reino de nosso Pai. Vossos suores e vossas misérias formam um tesouro, que vos tornará ricos nas esferas superiores, onde a luz substitui as trevas, e onde o mais desnudo entre vós será talvez o mais resplandecente.
Em verdade vos digo: os que carregam seus fardos e assistem os seus irmãos são os meus bem-amados. Instruí-vos na preciosa doutrina que dissipa o erro das revoltas e vos ensina o objetivo sublime da prova humana. Como o vento varre a poeira, que o sopro dos Espíritos dissipe a vossa inveja dos ricos do mundo, que são frequentemente os mais miseráveis, porque suas provas são mais perigosas que as vossas.
Estou convosco, e meu apóstolo vos ensina. Bebei na fonte viva do amor, e preparai-vos, cativos da vida, para vos lançardes um dia, livres e alegres, no seio d' Aquele que vos criou fracos para vos tornar perfeitos, e deseja que modeleis vós mesmos a vossa dócil argila, para serdes os artífices da vossa imortalidade.

ESPÍRITO DA VERDADE, Bordeaux, 1861

7. Eu sou o grande médico das almas e venho trazer-vos o remédio que vos deve curar. Os débeis, os sofredores e os enfermos são os meus filhos prediletos, e venho salvá-las.
Vinde, pois, a mim todos vós, que sofreis e que estais carregados, e sereis aliviados e consolados. Não procureis alhures a forca e a consolação, porque o mundo é impotente para dá-Ias. Deus dirige aos vossos corações um apelo supremo através do Espiritismo: escutai-o. Que a impiedade, a mentira, o erro, a incredulidade sejam extirpados de vossas almas doloridas. São esses os monstros que sugam o mais puro do vosso sangue e vos produzem chagas quase sempre mortais.
Que no futuro, humildes e submissos ao Criador, pratiqueis sua divina lei. Amai e orai, Sede dóceis aos Espíritos do Senhor. Invocai-O do fundo do coração. Então, Ele vos enviará o seu Filho bem-amado para vos instruir e vos dizer estas boas palavras: Eis-me aqui; venho a vós porque me chamastes!

ESPÍRITO DA VERDADE, Havre, 1863

8. Deus consola os humildes e dá forca aos aflitos que a suplicam. Seu poder cobre a Terra e por toda parte, ao lado de cada lágrima, põe o bálsamo que consola. O devotamento e a abnegação são uma prece contínua e encerram profundo ensinamento: a sabedoria humana reside nessas duas palavras. Possam todos os Espíritos sofredores compreender esta verdade, ao invés de reclamar contra as dores! Os sofrimentos morais que são aqui na Terra o vosso quinhão. Tomai, pois, por divisa essas duas palavras: devotamento e abnegação, e sereis fortes porque elas resumem todos os deveres que a caridade e a humildade vos impõem. O sentimento do dever cumprido vos dará a tranquilidade de espírito e a resignação. O coração bate melhor, a alma se acalma, e o corpo já não sente desfalecimentos, porque o corpo sofre tanto mais, quanto mais profundamente abalado estiver o espírito.

Voltar ao topo