A tradição e o mandamento

Então vieram de Jerusalém a Jesus alguns fariseus e escribas e perguntaram-lhe: Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? pois não lavam as mãos quando comem pão. Respondeu-lhes: E vós, por que transgredis o mandamento de Deus por causa da vossa tradição: Pois Deus disse: Honra a teu pai e a tua mãe, e também: Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe, seja morto; mas vós ensinais: Aquilo que eu te poderia dar já ofereci a Deus; o tal não precisará mais honrar a seu pai nem a sua mãe. Assim invalidais a Palavra de Deus por causa da vossa tradição. (Mateus, XV, 1-6.)

A pretensão e o orgulho religioso se têm revoltado em todos os tempos contra os princípios fundamentais da Religião, substituindo o mandamento pela tradição.
Essa obra nefasta do farisaísmo se vai eternizando a ponto de chegarmos ao esquecimento das coisas divinas, como acontece em nosso século.
O homem tradicionalista não conhece absolutamente a Religião. Preso aos dogmas e preceitos humanos, limita-se ao culto exterior, deixando o interior cheio de rapina e podridão.
Eis o maior dos pecados: comer o pão sem lavar as mãos. Ontem, como hoje, não era pecado comer o pão com o suor alheio, mas quem chegasse a comê-lo sem “lavar as mãos”, cometia crime de lesa-divindade!
Estando de mãos limpas, bem lavadas com sabonete fino, todos podem tomar parte na “mesa da comunhão”, certos de que dali sairão limpos de pecados.
Os figurões já sabem disso: lavam as mãos, ornam as igrejas com imagens e lanternetas; e os pobres que passem fome, os enfermos que se lamentem, os desprotegidos da sorte que chorem!
Desde que as capelas estejam ornadas, as imagens bem vestidas, os altares dourados e os sinos bimbalhando, apresentando-se o culto com vida, pereçam os pobres na sua nudez, gritem os sofredores, conserve-se frio e sem lume o fogão dos infelizes!
Obedecida a tradição, que importa o mandamento!
O mandamento é de Deus e Deus não se vê; a tradição é dos homens e aí estão os homens guardando a tradição, “tesouro” que lhes legaram seus pais e avós!
Não é isso o que se observa em toda parte! Onde estão os hospitais, os asilos, as escolas para as crianças órfãs?
E aqueles que ainda se veem com que descaso são mantidos e como são dirigidos!
Não há dúvidas de que há absoluta paridade entre a época atual e aquela em que Jesus veio ao mundo.
Os mesmos escribas e fariseus de outrora se manifestam hoje, e de modo, parece, ainda mais impertérrito (destemido) que os de então.
Em todas as classes sociais a perversão de caráter se salienta de maneira tão nojenta que é preciso andar no mundo sem ser do mundo, para se poder fazer alguma coisa em proveito próprio.
Fariseus surgem de todos os lados com perguntas insidiosas; escribas pervertidos desnaturam a missão da Imprensa; falsos profetas e obreiros fraudulentos especulam com as coisas mais santas, levando a confusão aos lares e às sociedades.
Decididamente não se vê mais que tradição das mãos lavadas!
A Misericórdia não mais alimenta os corações e a Fé há muito não aquece as almas com a sua chama vivificadora. Atualmente, o que se vê são holocaustos e sacrifícios, e a palavra de Deus invalidada por causa da tradição.
Os ensinos de Jesus permanecem encerrados por aqueles que se dizem seus representantes, para que a tradição continue a vigorar e os mandamentos das Igrejas não sejam absorvidos pelos mandamentos de Deus.
O culto não é dado ao Criador, como o Espírito ensinou a Abraão, a Moisés e pelos lábios de Jesus, mas à criatura, contra os preceitos do Decálogo e os ensinos cristãos, tão esquecidos em nossa época.
Entretanto, tenhamos fé, nem tudo está perdido. Quando o Sol se esconde no poente e a Terra é envolvida no manto de trevas, tudo parece caos, confusão, mas, daí a pouco surge a alvorada e o mesmo Sol ilumina o mundo e dá-lhe vida.
Tenhamos fé: a uma época de miséria sucede outra de fartura, assim como às seis vacas gordas sucederam as magras, e as espigas bem granadas vieram substituir as chochas.

Voltar ao topo