A Vida na Terra e a Vida Eterna

Não andeis cuidadosos da vossa vida, pelo que haveis de comer ou de beber, nem do vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais que o alimento e o corpo mais que o vestido? Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros, e o vosso Pai as alimenta; não valeis, vós muito mais que elas? E qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um cúbito à sua estatura? E por que andais ansiosos pelo que haveis de vestir? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam; contudo vos digo que nem Salomão em toda a sua glória se vestiu como um deles! Se Deus veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé? Assim não andeis ansiosos, dizendo: Que havemos de comer? Ou: Que havemos de beber? Ou: Com que nos havemos de vestir? Pois os gentios é que precisam destas coisas: porque vosso Pai celestial sabe que precisais de todas elas. Mas buscai primeiramente o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não andeis, pois, ansiosos pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. (Mateus,VI, 25-34.)

O escopo da vida na Terra é o aperfeiçoamento do Espírito. Aquele que assim compreende eleva-se, dignifica-se, e, livre dos entraves materiais, sobe às alturas inacessíveis ao sofrimento, alcançando a felicidade eterna.
Aquele que assim não quer compreender rebaixa-se, desmoraliza-se, e, absorvido pelas más paixões, desce às voragens da dor, para expiar e reparar as faltas, as transgressões das leis divinas.
O que vive da carne morre, o que vive do Espírito é imortal.
Lutas, fadigas, trabalhos e dores são luzes para os vivos e sepulcros para os mortos.
Uns pairam calmos e resistentes acima das misérias terrestres; outros jazem sob os escombros amontoados pelo tufão inclemente da adversidade!
O que vê com os olhos da carne, vê misérias, estertores, morte; o que vê com os olhos do Espírito, vê flores que murcham, prados devastados, regatos que secam fontes que não vertem água, avarias, mutilações, cadáveres putrefatos, mas vê também cores que são perfumes, luzes que são forças, vidas que despontam, seres que se agitam, almas que vivem e Espíritos que vivificam.
No panorama do Universo as duas faces da Vida se mostram como o verso e reverso da medalha: cada efígie tem a sua cotação acima ou abaixo da “paz cambial”.
Nada se perde e nada se desvaloriza na equação proposta para chegar-se à incógnita da Perfeição Espiritual.
A Lei vê passar o tempo, as gerações, a Terra e o céu, mas permanece inflexível, aperfeiçoando as gerações, a Terra, o céu, na sua ação lenta, mas decisiva e depuradora.
O escopo da vida é o cumprimento da Lei, e o cumprimento da Lei é a Perfeição.
Os que transgridem a Lei descem pelos tremedais das paixões vis aos báratros tenebrosos da dor; mas, aguilhoados pela dor, sobem aos cimos das glórias imortais!
Os que cumprem e proclamam o cumprimento da Lei, voam por entre luzes, cores e perfumes às Eternas mansões dos Espíritos Soberanos, onde a harmonia, a verdade e a paz imperam na plenitude de seus direitos divinos.
A vida na Terra, para aqueles que na Terra têm o seu tesouro, como que termina no túmulo, porque só com o renascimento alcançarão a Vida Eterna.
A Vida na Terra, para os que acumulam tesouros nos Céus, é a senda luminosa que liga a Terra aos Céus, é a estrada comunicativa que lhes permite a passagem para se apossarem desse tesouro.
Os que vivem na Terra pela Terra, são da Terra; os que vivem na Terra sem serem da Terra são dos Céus.
A vida na Terra é efêmera; a Vida nos Céus é eterna; e a posse da Vida Eterna consiste no cumprimento da Lei: “Buscai o Reino de Deus e a sua justiça, que tudo o mais vos será dado por acréscimo”.

Voltar ao topo