Parábola dos servos bons e maus

“Quem é, pois, o despenseiro fiel e prudente, ao qual o Senhor confiará a direção de sua casa, para que em tempo devido distribua o alimento? Bem-aventurado aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, achar assim fazendo! Em verdade vos digo que lhe confiará todos os seus bens. Mas se aquele servo disser no seu coração: Meu senhor tarda em vir, e começar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se, virá o senhor daquele servo no dia em que o não espera e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á e porá a sua parte com os infiéis. E aquele servo, que soube a vontade do senhor, e não se preparou, nem fez conforme à sua vontade, será castigado com muitos açoites; aquele, porém, que não a soube, e fez coisas que mereciam castigos, será punido com poucos açoites. A todo aquele a quem muito é dado, muito lhe será requerido; e a quem muito é confiado, mais ainda lhe será exigido!” (Mateus, XXIV, 45-51– Lucas, XII, 42-48.)

Este ensino, que se constitui em verdadeiro mandamento para o “servo vigilante”, deixa transparecer bem claramente aos olhos de todos, quais são os servos bons e quais os servos maus que operam na Seara Divina.
Não são os que vivem da Religião, comendo e bebendo, que se salientam como obreiros do Bem e da Verdade!
Não são os que repudiam, condenam e excomungam seus semelhantes, que o Senhor escolheu para seus verdadeiros servos, mas, sim, os que são fiéis à sua Palavra e prudentes no cumprimento de seus deveres!
Quem só trabalha pelo numerário, não pode interpretar o pensamento íntimo do Mestre; não pode, por isso, ser sábio, prudente e fiel.
O bom servo só faz os desejos e a vontade de seu senhor; o mau servo faz o que lhe apraz.
Aquele trabalha para cumprir seus deveres; este, por vil interesse e para satisfazer desejos bastardos.
Acresce ainda a circunstância de que os servos bons trabalham sempre, trabalham sem cessar, pois sabem que trabalhador da última hora não é o que chega por último, mas sim o que trabalha até a última hora, e não regateia esforços para que todos os bens que lhe foram concedidos sejam postos em ação, estejam em movimento para vencerem juros.
O que nos foi confiado, não o foi para ser enterrado ou guardado, como aconteceu ao “talento” entregue ao mau operário, porém, sim, para ser por nós aproveitado e aproveitado pelos nossos semelhantes! Por isso, cada um é responsável pelo que lhe é dado; a quem muito é dado, muito se lhe pedirá; a quem pouco é dado, pouco se lhe pedirá.
Todas as parábolas de Jesus são exortações, convites, conselhos, mandamentos para a observância dos seus ensinos, mas exclusivamente dos seus ensinos, desembaraçados dos enxertos humanos e dos preceitos e mandamentos das igrejas de pedra.
O Dia do Senhor é sempre Hoje, e sua Palavra está sempre guiando e ensinando aos que a Ele se chegam com boa vontade para aprenderem suas inestimáveis lições! O que disser, pois, “meu senhor tarda a vir”, não é um Homem-Espírito, mas, sim, um ser animal que ainda não pode ultrapassar as barreiras que separam o instinto da inteligência, a vida do corpo, da vida da alma, o Reino do Mundo, do Reino de Deus!
Finalmente, os servos bons distinguem-se dos servos maus como se distinguem as laranjas: pela sua doçura.

Voltar ao topo