Oração da Fraternidade

Senhor!
Somos uma só família de corações a se rearticularem no espaço e no tempo, aprendendo a servir-te. Ensina-nos a ser mais irmãos uns dos outros.
Ajuda-nos para que seja cada um de nós a complementação do companheiro, naquilo em que o nosso companheiro esteja em carência. Se um tropeça, dá que lhe sirvamos de apoio, se outro descansa, ampara-nos a fim de que lhe tomemos o lugar na tarefa sem reclamação e sem queixa. Ilumina-nos o entendimento para que nos convertamos em visão para aqueles que ainda não conseguem enxergar o caminho claro que nos traçaste; o ouvido atento para quantos se incapacitarem no trabalho, entorpecidos na indiferença; a tranquilidade para os que venham a cair na discórdia e a compreensão de todos os que ainda não logram divisar a luz da verdade!
Senhor, guarda-nos em teu infinito amor para que nos devotemos fielmente uns aos outros e ainda que a névoa do passado nos entenebreça os caminhos do presente, favorecendo-nos a separação ou o desajuste, dá que o clarão de tua bênção nos refaça as energias e nos restabeleça o senso de rumo para que nós todos, unidos e felizes, sejamos invariavelmente uma família só, procurando escorar-nos, no apoio recíproco, de modo a que, um dia, estejamos integrados em teu serviço na alegria imortal para sempre.

Bezerra de Menezes
Psicografia de Chico Xavier, em 22.2.1972
Na Fundação Marietta Gaio, no Rio de Janeiro

Possuir

Bem-aventurados os brandos de espírito por que possuirão a Terra.
Com está afirmação do Senhor, podemos reconhecer que há diferença fundamental entre “possuir” e “ser possuído”.
Vemos conquistadores de nome célebre que julgam senhorear terras e haveres, acabando sob o domínio da perturbação e da morte.
Observamos caluniadores eminentes, presumindo-se detentores das maiores expressões de apreço público, caindo sob o império de amargosas desilusões.
Anotamos a presença de gozadores inveterados que, em se guindando ao ápice dos mais extravagantes prazeres descem, apressados, aos precipícios da desesperação e do tédio.
Contemplamos usurários aparentemente felizes acreditando-se com direito exclusivo sobre cofres repletos, em que amontoam perigosos enganos, repentinamente despojados de todos os valores fictícios de que se supõem eternos depositários, arrojando-se, em desvario, às linhas abismais da loucura.
Convidou-nos o Divino Mestre ao equilíbrio, à candura e à humildade, para que aprendamos a possuir em nome do Pai Excelso, a quem pertencem toda propriedade, todo poder e toda glória da vida.
Procuremos, desse modo, o clima de tolerância fraterna em que o Senhor exemplificou na Terra a sua lição sublime para que estejamos seguros nas construções imperecíveis da alma.
À frente da crueldade e da violência, da ignorância e da insensatez, mantenhamos acesa a chama do amor, à maneira da fonte límpida que, servindo e cantando, corrige os rigores da paisagem e fecunda o seio da Terra.
Não vale trocar golpe por golpe, injúria por injúria, mal por mal…
Convocados à edificação do Reino de Deus no mundo, a começar de nós mesmos, é imprescindível saibamos suportar para renovar, sofrer para soerguer, apoiar para levantar e renunciar para possuir.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 4.3.1957
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Disciplina

Não nos repugne o verbo obedecer.
Tudo o que constitui progresso e aperfeiçoamento guarda a ordem por base.
Não olvides que a disciplina principia no Céu.
As mais sublimes constelações atendem às lei de equilíbrio e movimento.
O Sol que nos sustenta a vida no mundo repete operações de ritmo, há numerosos milênios.
A Lua que clareava o caminho das mais remotas civilizações da Índia e do Egito efetua, ainda hoje, as mesmas tarefas, diante da Humanidade.
No campo da Natureza, a disciplina é alicerce de toda bênção.
Obedece ao solo.
Obedece a árvore.
Obedece a fonte.
Qualquer construção obedece ao plano do arquiteto que a idealiza.
E, no aconchego do lar, obedecem ao piso anônimo, o vaso amigo e o pão que enriquece a mesa.
Na experiência física, a saúde é obra da disciplina celular.
Quando as unidades microscópicas da colmeia orgânica se desarvoram, rebeladas, encontramos os tormentos da enfermidade ou as sombras da morte.
Chamamos a servir aos nossos semelhantes no Espiritismo Cristão, em favor de nós mesmos, saibamos cultivar a liberdade de obedecer para o bem, aprendendo e ajudando sempre.
Jamais nos esqueçamos de que Jesus se fez o Mestre Divino e o Soberano das Almas, não somente porque tenha vindo ao mundo, consagrado pelos cânticos das Legiões Celestes, mas também por haver transformado a própria vida, em Seu Apostolado de Amor, num cântico de humildade, obedecendo constantemente a Vontade de Deus.

Scheilla
Psicografia de Chico Xavier, em 1.6.1957
Centro Espírita Luiz Gonzaga

O Maior

Ainda e sempre, a vaidade humana prossegue na caça incessante aos títulos máximos na Terra.
Cartazes da imprensa e programas telerradiofônicos na atualidade cogitam de campeões variados que brilham, passageiros na ribalta do mundo.
O maior pensador…
O maior cientista…
O maior industrial…
O artista maior…
E o campo de realizações terrestres, copiando-lhes o impulso, apresenta com garbo os seus expoentes mais altos…
O maior arranha-céu…
O maior transatlântico…
O maior espetáculo…
A fortuna maior…
Todavia, semelhantes pruridos de evidência terrestre não são novos.
Há quase vinte séculos, surgiam eles igualmente no colégio dos seguidores humildes do Senhor.
Nem mesmo os aprendizes do Evangelho, despretensiosos e simples conseguiram fugir à tentação do destaque pessoal.
Eles próprios, na antevisão do paraíso, indagaram do Mestre, com desassombro inconsciente:
— Quem seria o maior no Reino dos Céus?
E a resposta do Cristo, ainda hoje, é um desafio à nossa fé.
O maior no Reino do Amor será sempre aquele que se fizer o servo infatigável de todos, aquele que, em se esquecendo, oferece aos outros a própria alegria que não possui, e que, em se ajustando à máquina do bem, possa apagar-se, contente e anônimo, atendendo, no lugar que lhe é próprio, a tarefa que o Senhor lhe determina…
Se procuras a comunhão com Jesus, onde estiverdes, olvida a ti mesmo pela glória de ser útil.
Ajuda, aprende, ampara, compreende, crê e espera cada dia…
E, servindo sempre, encontrarás com o Mestre Divino a felicidade perfeita, penetrando com Ele o segredo sublime da cruz, pelo qual, em se rendendo à suprema renúncia, fez-se a luz das nações e a esperança da Humanidade inteira.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 7.2.1955.
No Centro Espírita Luiz Gonzaga

Escola

Vem e agradece a Deus a mão piedosa e santa
Que, ao fulgor deste altar, te ilumina e consola
Aqui, pulsa, imortal, o coração da Escola,
Em cuja glória humilde a terra se levanta.

Vem e agradece a Deus a salvadora esmola,
Dessa fonte de luz que jorra, vibra e canta,
Na vitória do bem que se eleva e agiganta
Sobre as ruínas do mal em que a treva se isola.

Aqui, é o ninho excelso, entre o Lar e a Oficina.
Entre e louva a lição que desce cristalina,
Do amor que vem do Céu, alto, puro e fecundo…

A escola que te educa sustenta a subida
É o templo em que o Senhor nos enaltece a vida,
Exaltando a beleza e a redenção do mundo.

Olavo Bilac
Psicografia de Chico Xavier, em 18.11.1954.
No Ginásio “O Precursor”, em Belo Horizonte

Educação

Educa a terra e terás o pão farto.
Educa a árvore e recolherás a bênção da fartura.
Educa o minério e obterás a utilidade de alto preço.
Educa a argila e plasmarás o vaso nobre.
Educa a inteligência e atingirás a sabedoria.
Educa as mãos e acentuarás a competência.
Educa a palavra e colherás simpatia e cooperação.
Educa o pensamento e conquistarás a ti mesmo.
Sem o alfabeto, anoitece o espírito.
Sem o livro, falece a cultura.
Sem o mérito da lição, a vida seria animalidade.
Sem a experiência e a abnegação dos que ensinam, o homem não romperia as faixas da infância.
Em toda parte vemos a ação da Providência Divina no aprimoramento da alma humana.
Aqui é o amor que edifica.
Além é o trabalho que aperfeiçoa.
Mais adiante é a dor que regenera.
Meus amigos, a Terra é a nossa escola milenária e sublime.
JESUS é o nosso Divino Mestre.
O Espiritismo, sobretudo, é obra de educação.
Façamos, pois, da educação com o Cristo o culto de nossa vida, para que a nossa vida possa educar-se e educar com o Senhor, hoje e sempre.

Emmanuel

Psicografada de Chico Xavier, em 16.11.1954,
no Ginásio O Precursor, em Belo Horizonte-MG

Chamados e Escolhidos

Sermão da Montanha
Estejamos convencidos de que ainda nos achamos a longa distância do convívio com os eleitos da glória celeste, entretanto, pelo chamamento da fé viva que hoje nos traz ao conhecimento superior, guardemos a certeza de que já somos os escolhidos:
Para a regeneração de nós mesmos;
Para o esquecimento de todas as faltas do próximo, de modo a recapitular com rigor as nossas próprias imperfeições redimindo-as;
Para o perdão incondicional, em todas as circunstâncias da vida;
Para a atividade infatigável na confraternização verdadeira;
Para ensinar aos mais ignorantes que nós mesmos;
Para suportar o sacrifício, no amparo aos que sofrem, ainda sem a força da fé renovadora que já nos robustece o espírito;
Para servir, além de nossas próprias obrigações, sem direito à recompensa;
Para compreender os nossos irmãos de jornada evolutiva, sem exigir que nos entendam;
Para apagar as fogueiras do ódio e da incompreensão, ao preço de nossa própria renúncia.
Lembremo-nos igualmente das cousas que nos ajudam:
O livro prestimoso…
A mesa sábia e humilde…
A água muda e calma…
A fronde refrescante…
O fruto valioso…
O leite doce amigo…
O ar que purifica…
A terra que sustenta…
A luz que aperfeiçoa…
É imprescindível descerrar a visão para o tesouro celestial que nos enriquece as horas se realmente anelamos o contato com aqueles benfeitores que nos estendem as mãos de Mais Alto…
Para isso, faça de teu lar o jardim sereno e belo onde a gentileza se irradie de teu espírito, perfumando o ambiente que te rodeia…
Para isso, deixa que as correntes cristalinas do otimismo te banhem o coração, para que a tua palavra traduza, para os outros, paz e alegria, esperança e reconforto.
Os Emissários do Bem sem dúvida brilham ainda, distantes da sombra em que a Humanidade tece o escuro fio de suas aflitivas paixões, entretanto, agradecendo o bem que te cerca, acenderá a luz da compreensão em ti próprio e, através da compreensão pura e simples, recolherás em silêncio, o apelo silencioso e sublime dos mensageiros do Céu que te convidam à festa do amor, ainda na Terra, que então se converterá para a tua alma em degrau milagroso da Divina Ascensão.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 16.8.1954
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

A Serviço do Senhor

Se aspiras o título de obreiro do Senhor, não olvides que o mundo é um campo imenso de trabalho para a lavoura do bem.
Não esperes facilidades na plantação.
Suportarás, naturalmente, obstáculos e perigos de toda sorte na preparação da colheita futura.
Repara ao redor de ti.
Melindres e suscetibilidades são pragas e vermes roedores, destruindo-te a sementeira.
Cólera e irritação constituem granizo e vento, arrasando-te as leiras frágeis.
Compromissos com a sombra simbolizam vigorosos cipoais, asfixiando-te os esforços.
Indolência e desânimo são ervas parasitárias, aniquilando-te a produção.
Leviandade e maledicência representam enxurro e detritos, sufocando-te as melhores promessas.
Perversidade e crítica expressam aridez e secura, capazes de arruinar-te a esperança.
Lembra: cada dia é tempo abençoado de trabalhar e não confies a enxada de tua oportunidade à ferrugem da negação.
Recorda que o tempo voa, que tudo se transforma e que a própria Terra, onde se alonga a tua esfera de ação turbilhona em pleno Céu à procura da perfeita comunhão com a Grande luz.
Não relaciones desapontamentos e mágoas, não te percas nas pedras do caminho e nem te fixes no espinheiro, que te servem por medida à fé e à serenidade.
Se te candidatas a servir com Jesus, toma-o por padrão vivo e incessante, buscando-lhe a Vontade para que os teus caprichos sejam esquecidos.
E, pautando nossas atividades sobre as normas que Lhe caracterizavam o exemplo, contemplará, ditoso, a colheita farta, a surgir da lama terrestre, colheita essa que nos enriquecerá de bênçãos o celeiro do coração para a Vida Eterna.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 27.8.1954
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Saibamos agradecer

Aprendamos a agradecer no círculo das criaturas limitadas que ainda somos, a fim de recebermos o socorro dos Mensageiros Divinos cuja sublimidade ainda não conseguimos compreender.
Cada coração que palpita conosco, amparando-nos a jornada é alguém da Vida Superior induzindo-nos à felicidade:
A ternura de nossa mãe…
A benevolência de nosso pai…
O devotamento da esposa…
A assistência do companheiro…
O carinho do irmão…
A devoção do mestre…
A generosidade do amigo…
A direção do chefe…
O concurso do servidor…
A paciência do médico…
A tolerância do enfermeiro…
Não somente essas forças te assistem, cada hora, assegurando-te interesse e estímulo à existência…
Para estender a caridade sem ruído, como quem sabe que ajudar aos outros é enriquecer a própria existência; Para persistir nas boas obras sem reclamações e sem desfalecimentos, em todos os ângulos do caminho; Para negar a nossa antiga vaidade e tomar, sobre os próprios ombros, cada dia, a cruz abençoada e redentora de nossos deveres, marchando com humildade e alegria ao encontro da vida sublime…
A indicação honrosa nos felicita.
Nossa presença nos estudos do Evangelho expressa o apelo que flui do Céu para as nossas consciências.
Chamados para a luz e escolhidos para o trabalho.
Eis a nossa posição real nas bênçãos do “hoje”. E se quisermos aceitar a escolha com que fomos distinguidos, estejamos certos igualmente de que, em breve, “amanhã” comungaremos felizes com o nosso Mestre e Senhor.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 1954
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Na Romagem da Cruz

Auta de SouzaMuitos começam com Jesus a lida,
Na clara manjedoura da esperança
E cantam na alegria e na abastança,
Enquanto há céu azul na própria vida…

Mas, em surgindo a luta indefinida
Em que há fel, sacrifício e insegurança,
Enquanto o Mestre ensina, ajuda e avança
Muita gente recua, espavorida.

Se marchas entre lágrimas e assombros,
Sob a cruz do dever nos próprios ombros,
Traça em amor teu áspero caminho.

Procurando o Divino Solitário,
Atingirás a Glória do Calvário,
Mas, torturado, exânime, sozinho…

Auta de Souza
Psicografia de Chico Xavier em, 18.7.1953
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga