Lembrando Dante e seu inferno

Quando psicografava os livros de André Luiz, via-se o Chico, em dado momento, transportado àquelas regiões de que lhe falava o esclarecido autor do Livro Libertação. Cenas dantescas presenciava:
Homens com fisionomias de crocodilos, cobras, arrastando-se, conturbando o ambiente já de si pavoroso; outros, urrando, como animais ferozes, lembrando-lhe Dante, revelando-lhe, nos círculos do inferno dântico, criaturas transformadas em árvores, enterradas até a cintura, verdadeiros duendes, animalizados. E o Médium conclui sua visão:
Dante era um grande Médium, além de culto Poeta. Nos momentos em que seu corpo descansava no sono ia, em espírito, às regiões boas e más, classificando-as como sendo o Paraíso, o Purgatório e o Inferno. Seu Guia, Virgílio, possibilitou-lhe, já naquela época, conhecesse aquilo que André Luiz, hoje nos atualiza de forma mais perfeita. Foi, não resta dúvida, o Grande Gibelino, um dos precursores das Verdades, que o Espiritismo nos revela através da Mediunidade gloriosa.

Ramiro Gama