Blog de Valim

O Grande Doador

Jesus CristoEle não era médico mas levantou paralíticos e restaurou feridos usando o divino poder do amor.
Não era advogado e elegeu-se o supremo defensor de todos os injustiçados do mundo.
Não possuía fazenda e estabeleceu novo reino na Terra.
Não improvisava festas e consolou os tristes e reergueu o bom ânimo das almas desesperadas.
Não era professor consagrado e fez-se o Mestre da Evolução e do Aprimoramento da Humanidade.
Não era Doutor da Lei e criou a universidade sublime do bem para todos os espíritos de boa vontade.
Padecendo amarguras – reconfortou a muitos.
Tolerando aflições – semeou a fé e a coragem.
Abatido – curou as chagas morais do povo.
Suplicando – expediu a mensagem do perdão e do amor, em todas as direções.
Esquecido pelos mais amados – ensinou a fraternidade e o reconhecimento.
Vencido na cruz – revelou a vitória da vida eterna, em plena e gloriosa ressurreição, renovando os destinos das nações e santificando o caminho dos povos.
Ele não era, portanto, rico e engrandeceu os celeiros dos séculos.
Quem oferecer o coração, em homenagem ao Divino Amor na Terra, poderá desse modo, no exemplo de Jesus, embora anônimo, aflito, apagado ou crucificado, atender à santificada colaboração com Deus, a benefício da Humanidade.

André Luiz
Psicografia de Chico Xavier, em 1956
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Cruzes e Algemas

Observa o longo caminho em que transitas no mundo e notarás que todas as criaturas jornadeiam na Terra entre cruzes e algemas.
Cruzes talhadas pela misericórdia de Deus.
Algemas forjadas pelos próprios homens.
Cruzes que elevam. Algemas que aniquilam.
Cruzes que bendizem. Algemas que amaldiçoam.
Cruzes que iluminam. Algemas que ensombram.
Não desprezes o madeiro das obrigações em que a Sabedoria do Senhor te situa, porque todas as almas que sobem o monte da evolução, transportam consigo as cruzes redentoras do trabalho e da disciplina.

Onde se destaquem progresso e sublimação ai enxameia cruzes diversas.
Possuímo-las por toda parte, em todos os feitos e em todos os tons de luta.
Aqui constituem o esposo difícil, a companheira desesperada e o filho ingrato e incompreensivo…
Acolá, descobrimo-las na solidão e na enfermidade, na penúria e no sofrimento, na dor e no sacrifício, tanto quanto mais além, reconhecemo-las na popularidade e na inteligência, no fausto e no ouro, na responsabilidade e no poder.

Procura aceitar com valor e serenidade os preciosos deveres que o Senhor te confia, porque das cruzes abandonadas nascem as trevas da rebeldia e do orgulho, que perturbam o coração e ensanguentam os filhos rebeldes da Terra.
Quantos lhes abominam os braços santificantes, sacudindo-lhes o jugo, não raro, descem à sombra e à viciação, à loucura e à delinquência, em que padecem, às vezes, por séculos dolorosos, nos grilhões do remorso e do crime, do desequilíbrio e do desencanto que inventaram para si mesmos.

Abraça na cruz que te honra o caminho a bênção da própria vida e agradece-lhe o suor do trabalho e as lágrimas da renúncia que te faça verter, porquanto se apenas a Cruz do Cristo, – o Anjo sem culpa, – foi capaz de instalar-nos a luz da ressurreição, somente a cruz de nossas dores no resgate de nossos erros, será capaz de impelir-nos à posse da Vida Eterna.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 1956
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Ante o Futuro

Não adianta indagar do futuro, ocasionalmente, para satisfazer a curiosidade irrequieta ou inútil.
Vale construí-lo em bases que a lógica traça-nos generosamente à visão.
Não desconhecemos que o nosso amanhã será a invariável reposta do mundo ao nosso hoje,
E aos nossos pés a natureza sábia e simples nos convida a pensar.
O arado preguiçoso deve aguardar a ferrugem.
A leira abandonada receberá o assalto da planta daninha.
A casa relegada ao abandono será pasto dos vermes que lhe corroerão a estrutura.
O pão desaproveitado repousará na sombra do mofo.
A fonte que se consagra ao movimento atingirá a paz do oceano.
A flor leal ao destino que lhe é próprio converter-se-á em fruto benfazejo.
A plantação amparada com segurança distribuirá bênçãos à mesa.
E o minério obediente aos golpes do malho transformar-se-á em peça de alto preço.
Sabemos que é possível edificar o futuro e recolher-lhe os dons de amor e vida.
Escolhe a bondade por lema de cada dia, não desistas de aprender, infatigavelmente e, com os braços no serviço incessante caminharás desde hoje, sob a luz da vitória, ao encontro de glorioso porvir.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 1956.
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Teu Cérebro

Teu cérebro é o espelho luminoso a refletir a beleza da Vida no aprimoramento e na sublimação de teu mundo espiritual.
Filtro divino, por ele, sabe traduzir os cânticos da natureza, entendendo a glória do firmamento que te espera e os tesouros da Terra que te alenta e aperfeiçoa.
Com ele, pesas a estrela, medes a distância dos astros, analisa a essência da luz, aprecias a estrutura da flor…
Através dele, navegas no espaço e desces ao abismo oceânico.
Manejando-o, conjugas as forças e os elementos que te circundam, acendendo o fulgor do progresso.
Aproveitando-o, redimiste os metais, ergueste o santuário doméstico e traçaste caminhos múltiplos à solidariedade.
Não uses semelhante instrumento para ferir o próximo e oprimir-lhe a existência.
Deixa que a bondade e a compreensão, a fé e a harmonia se expressem por teu pensamento, a fim de que o Sol do Amor resplenda em teu roteiro.
Guarda-o na humildade e no equilíbrio, na educação e no serviço, para que as energias do Céu se exprimam na Terra por intermédio de tua vida.
Medita na responsabilidade de discernir e pensar.
A razão é a luz que nos distingue dos animais.
Saibamos, assim, levantá-la ao nível do conhecimento superior que já nos felicita o destino, através da ação permanente e infatigável no bem, porque calcular exaltando o egoísmo e o raciocínio em favor do crime é lançar sobre o espelho de nossa mente a lama das trevas que nos compelirá amanhã a padecer idiotia e loucura, indispensáveis à nossa limpeza para o dia da redenção.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 19.9.1955
No Centro Espírita Luiz Gonzaga

Oração da Fraternidade

Senhor!
Somos uma só família de corações a se rearticularem no espaço e no tempo, aprendendo a servir-te. Ensina-nos a ser mais irmãos uns dos outros.
Ajuda-nos para que seja cada um de nós a complementação do companheiro, naquilo em que o nosso companheiro esteja em carência. Se um tropeça, dá que lhe sirvamos de apoio, se outro descansa, ampara-nos a fim de que lhe tomemos o lugar na tarefa sem reclamação e sem queixa. Ilumina-nos o entendimento para que nos convertamos em visão para aqueles que ainda não conseguem enxergar o caminho claro que nos traçaste; o ouvido atento para quantos se incapacitarem no trabalho, entorpecidos na indiferença; a tranquilidade para os que venham a cair na discórdia e a compreensão de todos os que ainda não logram divisar a luz da verdade!
Senhor, guarda-nos em teu infinito amor para que nos devotemos fielmente uns aos outros e ainda que a névoa do passado nos entenebreça os caminhos do presente, favorecendo-nos a separação ou o desajuste, dá que o clarão de tua bênção nos refaça as energias e nos restabeleça o senso de rumo para que nós todos, unidos e felizes, sejamos invariavelmente uma família só, procurando escorar-nos, no apoio recíproco, de modo a que, um dia, estejamos integrados em teu serviço na alegria imortal para sempre.

Bezerra de Menezes
Psicografia de Chico Xavier, em 22.2.1972
Na Fundação Marietta Gaio, no Rio de Janeiro

Possuir

Bem-aventurados os brandos de espírito por que possuirão a Terra.
Com está afirmação do Senhor, podemos reconhecer que há diferença fundamental entre “possuir” e “ser possuído”.
Vemos conquistadores de nome célebre que julgam senhorear terras e haveres, acabando sob o domínio da perturbação e da morte.
Observamos caluniadores eminentes, presumindo-se detentores das maiores expressões de apreço público, caindo sob o império de amargosas desilusões.
Anotamos a presença de gozadores inveterados que, em se guindando ao ápice dos mais extravagantes prazeres descem, apressados, aos precipícios da desesperação e do tédio.
Contemplamos usurários aparentemente felizes acreditando-se com direito exclusivo sobre cofres repletos, em que amontoam perigosos enganos, repentinamente despojados de todos os valores fictícios de que se supõem eternos depositários, arrojando-se, em desvario, às linhas abismais da loucura.
Convidou-nos o Divino Mestre ao equilíbrio, à candura e à humildade, para que aprendamos a possuir em nome do Pai Excelso, a quem pertencem toda propriedade, todo poder e toda glória da vida.
Procuremos, desse modo, o clima de tolerância fraterna em que o Senhor exemplificou na Terra a sua lição sublime para que estejamos seguros nas construções imperecíveis da alma.
À frente da crueldade e da violência, da ignorância e da insensatez, mantenhamos acesa a chama do amor, à maneira da fonte límpida que, servindo e cantando, corrige os rigores da paisagem e fecunda o seio da Terra.
Não vale trocar golpe por golpe, injúria por injúria, mal por mal…
Convocados à edificação do Reino de Deus no mundo, a começar de nós mesmos, é imprescindível saibamos suportar para renovar, sofrer para soerguer, apoiar para levantar e renunciar para possuir.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 4.3.1957
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Disciplina

Não nos repugne o verbo obedecer.
Tudo o que constitui progresso e aperfeiçoamento guarda a ordem por base.
Não olvides que a disciplina principia no Céu.
As mais sublimes constelações atendem às lei de equilíbrio e movimento.
O Sol que nos sustenta a vida no mundo repete operações de ritmo, há numerosos milênios.
A Lua que clareava o caminho das mais remotas civilizações da Índia e do Egito efetua, ainda hoje, as mesmas tarefas, diante da Humanidade.
No campo da Natureza, a disciplina é alicerce de toda bênção.
Obedece ao solo.
Obedece a árvore.
Obedece a fonte.
Qualquer construção obedece ao plano do arquiteto que a idealiza.
E, no aconchego do lar, obedecem ao piso anônimo, o vaso amigo e o pão que enriquece a mesa.
Na experiência física, a saúde é obra da disciplina celular.
Quando as unidades microscópicas da colmeia orgânica se desarvoram, rebeladas, encontramos os tormentos da enfermidade ou as sombras da morte.
Chamamos a servir aos nossos semelhantes no Espiritismo Cristão, em favor de nós mesmos, saibamos cultivar a liberdade de obedecer para o bem, aprendendo e ajudando sempre.
Jamais nos esqueçamos de que Jesus se fez o Mestre Divino e o Soberano das Almas, não somente porque tenha vindo ao mundo, consagrado pelos cânticos das Legiões Celestes, mas também por haver transformado a própria vida, em Seu Apostolado de Amor, num cântico de humildade, obedecendo constantemente a Vontade de Deus.

Scheilla
Psicografia de Chico Xavier, em 1.6.1957
Centro Espírita Luiz Gonzaga

Escola

Vem e agradece a Deus a mão piedosa e santa
Que, ao fulgor deste altar, te ilumina e consola
Aqui, pulsa, imortal, o coração da Escola,
Em cuja glória humilde a terra se levanta.

Vem e agradece a Deus a salvadora esmola,
Dessa fonte de luz que jorra, vibra e canta,
Na vitória do bem que se eleva e agiganta
Sobre as ruínas do mal em que a treva se isola.

Aqui, é o ninho excelso, entre o Lar e a Oficina.
Entre e louva a lição que desce cristalina,
Do amor que vem do Céu, alto, puro e fecundo…

A escola que te educa sustenta a subida
É o templo em que o Senhor nos enaltece a vida,
Exaltando a beleza e a redenção do mundo.

Olavo Bilac
Psicografia de Chico Xavier, em 18.11.1954.
No Ginásio “O Precursor”, em Belo Horizonte

Saibamos agradecer

Aprendamos a agradecer no círculo das criaturas limitadas que ainda somos, a fim de recebermos o socorro dos Mensageiros Divinos cuja sublimidade ainda não conseguimos compreender.
Cada coração que palpita conosco, amparando-nos a jornada é alguém da Vida Superior induzindo-nos à felicidade:
A ternura de nossa mãe…
A benevolência de nosso pai…
O devotamento da esposa…
A assistência do companheiro…
O carinho do irmão…
A devoção do mestre…
A generosidade do amigo…
A direção do chefe…
O concurso do servidor…
A paciência do médico…
A tolerância do enfermeiro…
Não somente essas forças te assistem, cada hora, assegurando-te interesse e estímulo à existência…
Para estender a caridade sem ruído, como quem sabe que ajudar aos outros é enriquecer a própria existência; Para persistir nas boas obras sem reclamações e sem desfalecimentos, em todos os ângulos do caminho; Para negar a nossa antiga vaidade e tomar, sobre os próprios ombros, cada dia, a cruz abençoada e redentora de nossos deveres, marchando com humildade e alegria ao encontro da vida sublime…
A indicação honrosa nos felicita.
Nossa presença nos estudos do Evangelho expressa o apelo que flui do Céu para as nossas consciências.
Chamados para a luz e escolhidos para o trabalho.
Eis a nossa posição real nas bênçãos do “hoje”. E se quisermos aceitar a escolha com que fomos distinguidos, estejamos certos igualmente de que, em breve, “amanhã” comungaremos felizes com o nosso Mestre e Senhor.

Emmanuel
Psicografia de Chico Xavier, em 1954
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Na Romagem da Cruz

Auta de SouzaMuitos começam com Jesus a lida,
Na clara manjedoura da esperança
E cantam na alegria e na abastança,
Enquanto há céu azul na própria vida…

Mas, em surgindo a luta indefinida
Em que há fel, sacrifício e insegurança,
Enquanto o Mestre ensina, ajuda e avança
Muita gente recua, espavorida.

Se marchas entre lágrimas e assombros,
Sob a cruz do dever nos próprios ombros,
Traça em amor teu áspero caminho.

Procurando o Divino Solitário,
Atingirás a Glória do Calvário,
Mas, torturado, exânime, sozinho…

Auta de Souza
Psicografia de Chico Xavier em, 18.7.1953
Local – Centro Espírita Luiz Gonzaga

Conteúdo sindicalizado