Blog de Valim

Jesus

TuvaluEis que passa no tempo a imensa caravana,
A multidão revel que humilhada se agita,
Reis, tiranos e heróis, rondando a turba aflita,
E fugindo à verdade augusta e soberana.

Sobre carros triunfais, a Terra se engalana…
E a mendaz ilusão freme, goza e palpita,
Para rojar-se, após a miséria infinita,
Na cinza a que se acolhe a majestade humana.

Mas Tu, Mestre da Paz, que a bondade ilumina,
Guardas, imorredoura, a Grandeza Divina,
Sem que o lodo abismal Te ofenda ou desconforte.

Tudo passa, descendo à sombra do caminho,
Mas no sólio da cruz inda imperas sozinho,
Na vitória do amor que fulge além da morte.

Amaral Ornellas

Prece do Servidor

EstradaSenhor,
Ensina-nos a trilhar luminosa estrada do auxílio!
Dá-nos força para destruir a pesada fortaleza de nossos próprios erros,
Coragem para abrir o caminho da libertação de nós mesmos
E recurso para desobstruir o coração, em favor de nossos semelhantes, entregando-lhes, enfim, os tesouros de amor que nos confiaste!…
Que, por onde passemos,
A dor se faça menos angustiosa,
A ignorância menos agressiva,
O ódio menos cruel,
As trevas menos densas,
O desânimo menos sombrio,
A incompreensão menos destruidora…
Se não possuímos, ainda, bens positivos
Com que possamos enriquecer a jornada terrestre,
Ajuda-nos a diminuir os males que nos rodeiam…
Que em teu nome,
Distribuamos fraternidade e renovação,
Usando com alegria, os dons sublimes e invisíveis
Do silêncio, da compreensão e da renúncia!…
Senhor,
Que nos ensinaste, sem palavras.
As supremas lições da simplicidade da manjedoura
E do sacrifício na cruz,
Indicando-nos, assim, o roteiro da construção especial e da ressurreição divina,
Orienta-nos o passo incerto
E ampara-nos os propósitos santificantes
Para que a Tua Vontade, misericordiosa e justa, se faça
Em nós, por nós e para nós,
Hoje e sempre, onde estivermos.
Assim seja.

Emmanuel

Em teu mundo

Flores no  galhoPermanece em teu mundo, quanto a flor no galho que a viu nascer.
Espalha o perfume de tua alma, a fim de que o teu espaço individual se eleve e engrandeça.
O apoio fraternal opera milagres de fortaleza no espírito abatido.
O mau inclina-se ao bem se tuas mãos lhe descerram os tesouros do auxílio.
O avarento abre as portas da alma quando te vê renunciar.
O ignorante recebe jatos de luz com a tua palavra bondosa e simples.
O homem endurecido cede sempre aos imperativos do perdão se te observa amparando e sofrendo sem reclamar.
O descrente perde o frio do coração ao calor de tua fé.
O desalentado renova as próprias forças, ao contágio de teu bom ânimo.
O triste volta à alegria com o teu sorriso de paz e entendimento.
O desamparado encontra refúgio em teu carinho de irmão.
Cada inteligência é um centro gerador de vida.
Não te canses de criar a felicidade e o amor, trabalhando e cooperando, amando e servindo.
Dá sempre de ti mesmo, a benefício de todos e o Senhor de Tudo te premiará com infinitos recursos.
Quando cessa o entendimento de ajudar, há obstáculos no fazer.
Quando falta o amor, desce a noite sobre o dia da alma.
Quando escasseia a esperança, cai gelo sobre o destino.
Faze de teu mundo um celeiro de bênção e de tua existência um cântico de graças.
O tempo é o nosso aliado divino.
Enche as tuas horas de fé e bondade, serviço e beleza e o Céu virá habitar contigo em qualquer inferno que a ignorância provisória do homem haja construído impensadamente na Terra.

Emmanuel

Sobre o Carnaval

Nenhum espírito equilibrado em face do bom senso, que deve presidir a existência das criaturas, pode fazer a apologia da loucura generalizada que adormece as consciências, nas festas carnavalescas.
É lamentável que, na época atual, quando os conhecimentos novos felicitam a mentalidade humana, fornecendo-lhe a chave maravilhosa dos seus elevados destinos, descerrando-lhe as belezas e os objetivos sagrados da Vida, se verifiquem excessos dessa natureza entre as sociedades que se pavoneiam com o título de civilização.
Enquanto os trabalhos e as dores abençoadas, geralmente incompreendidos pelos homens, lhes burilam o caráter e os sentimentos, prodigalizando-lhes os benefícios inapreciáveis do progresso espiritual, a licenciosidade desses dias prejudiciais opera, nas almas indecisas e necessitadas do amparo moral dos outros espíritos mais esclarecidos, a revivescência de animalidades que só os longos aprendizados fazem desaparecer.
Há nesses momentos de indisciplina sentimental o largo acesso das forças da treva nos corações e, às vezes, toda uma existência não basta para realizar os reparos precisos de uma hora de insânia e de esquecimento do dever.
Enquanto há miseráveis que estendem as mãos súplices, cheios de necessidade e de fome, sobram as fartas contribuições para que os salões se enfeitem e se intensifiquem o olvido de obrigações sagradas por parte das almas cuja evolução depende do cumprimento austero dos deveres sociais e divinos.
Ação altamente meritória seria a de empregar todas as verbas consumidas em semelhantes festejos, na assistência social aos necessitados de um pão e de um carinho.
Ao lado dos mascarados da pseudo-alegria, passam os leprosos, os cegos, as crianças abandonadas, as mães aflitas e sofredoras. Por que protelar essa ação necessária das forças conjuntas dos que se preocupam com os problemas nobres da vida, a fim de que se transforme o supérfluo na migalha abençoada de pão e de carinho que será a esperança dos que choram e sofrem? Que os nossos irmãos espíritas compreendam semelhantes objetivos de nossas despretensiosas opiniões, colaborando conosco, dentro das suas possibilidades, para que possamos reconstruir e reedificar os costumes para o bem de todas as almas.
É incontestável que a sociedade pode, com o seu livre-arbítrio coletivo, exibir superfluidades e luxos nababescos, mas, enquanto houver um mendigo abandonado junto de seu fastígio e de sua grandeza, ela só poderá fornecer com isso um eloqüente atestado de sua miséria moral .

Emmanuel, Psicografado por Francisco Cândido Xavier, em Julho de 1939

A Máquina Divina

Meu amigo.
O corpo físico é a máquina divina que o Senhor nos empresta para a confecção de nossa felicidade na Terra.
Os vizinhos do bruto precipitam-na ao sorvedouro da animalidade.
Os maus empregam-na, criando o sofrimento dos semelhantes.
Os egoístas valem-se dela para esgotarem a taça de prazeres fictícios.
Os orgulhosos isolam-na sem proveito.
Os vaidosos cobrem-na de adornos efêmeros para reclamarem o incenso da multidão.
Os intemperantes destroem-na.
Os levianos mobilizam-na para menosprezar o tempo.
Os tolos usam-na, inconsideravelmente, incentivando as sombras do mundo.
Os perversos movimentam-lhe as peças, na consecução de desordens e crimes.
Os viciados de todos os matizes aproveitam-lhe o temporário concurso na manutenção da desventura de si mesmos.
Os indisciplinados acionam-lhe os valores, estimulando o ruído inútil em atividades improdutivas.
O espírito prudente, todavia, recebe essa máquina valiosa e sublime para tecer, através do próprio esforço, com os fios da caridade e da fé, da verdade e da esperança, do amor e da sabedoria, a túnica de sua felicidade para sempre na vida eterna.

Emmanuel, psicografia Chico Xavier.

Se tiveres amor

Se tiveres amor, caminharás no mundo como alguém que transformou o próprio coração em chama divina a dissipar as trevas…
Encontrarás nos caluniadores almas invigilantes que a peçonha do mal entenebreceu, e relevarás toda ofensa com que te martirizem as horas…
Surpreenderás nos maldizentes criaturas desprevenidas que o veneno da crueldade enlouqueceu, e desculparás toda injúria com que te deprimam as esperanças…
Observarás no onzenário a vítima da ambição desregrada, acariciando a ignomínia da usura em que atormenta a si próprio, e no viciado o irmão que caiu voluntariamente na poça de fel em que arruína a si mesmo…
Reconhecerás a ignorância em toda manifestação contrária à justiça e descobrirás a miséria por fruto dessa mesma ignorância em toda parte onde o sofrimento plasma o cárcere da delinquência, o deserto do desespero, o inferno da revolta ou o pântano da preguiça…
Se tiveres amor saberás, assim, cultivar o bem, a cada instante, para vencer o mal a cada hora…
E perceberás, então, como o Cristo fustigado na cruz, que os teus mais acirrados perseguidores são apenas crianças de curto entendimento e de sensibilidade enfermiça, que é preciso compreender e ajudar, perdoar e servir sempre, para que a glória do amor puro, ainda mesmo nos suplícios da morte, nos erga o espírito imperecível à bênção da vida eterna.

Emmanuel, psicografia de Chico Xavier.

A mensagem cristã

Jesus e a SamaritanaNão se reveste o ensinamento de Jesus de quaisquer fórmulas complicadas.
Guardando embora o devido respeito a todas as escolas de revelação da fé com os seus colégios iniciáticos, notamos que o Senhor desce da Altura, a fim de libertar o templo do coração humano para a sublimidade do amor e da luz, através da fraternidade, do amor e do conhecimento.
Para isso, o Mestre não exige que os homens se façam heróis ou santos de um dia para o outro.
Não pede que os seguidores pratiquem milagres, nem lhes reclama o impossível.
Dirige-se a palavra Dele à vida comum, aos campos mais simples do sentimento, à luta vulgar e às experiências de cada dia.
Contrariamente a todos os mentores da Humanidade, que viviam, até então, entre mistérios religiosos e dominações políticas, convive com a massa popular, convidando as criaturas a levantarem o santuário do Senhor nos próprios corações.
Ama a Deus, Nosso Pai - ensinava Ele -, com toda a tua alma, com todo o teu coração e com todo o teu entendimento.
Ama o próximo como a ti mesmo.
Perdoa ao companheiro quantas vezes se fizerem necessárias.
Empresta sem aguardar retribuição.
Ora pelos que te perseguem e caluniam.
Ajuda aos adversários.
Não condenes para que não sejas condenado.
A quem te pedir a capa cede igualmente a túnica.
Se alguém te solicita a jornada de mil passos, segue com ele dois mil.
Não procures o primeiro lugar nas assembléias, para que a vaidade não te tente o coração.
Quem se humilha será exaltado.
Ao que te bater numa face, oferece também a outra.
Bendize aquele que te amaldiçoa.
Liberta e serás libertado.
Dá e receberás.
Sê misericordioso.
Faze o bem ao que te odeia.
Qualquer que perder a sua vida, por amor ao apostolado da redenção, ganhá-la-á mais perfeita, na glória da eternidade.
Resplandeça a tua luz.
Tem bom ânimo.
Deixa aos mortos o cuidado de enterrar os seus mortos.
Se pretendes encontrar-me na luz da ressurreição, nega a ti mesmo, alegra-te sob o peso da cruz dos próprios deveres e segue-me os passos no calvário de suor e sacrifício que precede os júbilos da aurora divina!
E, diante desses apelos, gradativamente, há vinte séculos, calam-se as vozes que mandam revidar e ferir!...
E a palavra do Cristo, acima de editos e espadas, decretos e encíclicas, sobe sempre e cresce cada vez mais, na acústica do mundo, preparando os homens e a vida para a Soberania do Amor Universal.

Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier.

Evocação do Natal

Nascimento de Jesus
O maior de todos os conquistadores, na face da Terra, conhecia, de antemão, as dificuldades do campo em que lhe cabia operar.
Estava certo de que entre as criaturas humanas não encontraria lugar para nascer, à vista do egoísmo que lhes trancava os corações; no entanto, buscou-as, espontâneo, asilando-se no casebre dos animais.
Sabia que os doutores da lei ouvi-lo-iam indiferentes, com respeito aos ensinamentos da vida eterna de que se fazia portador; contudo, entregou-lhes, confiante, a Divina Palavra.
Não desconhecia que contava simplesmente com homens frágeis e iletrados para a divulgação dos princípios redentores que lhe vibravam na plataforma sublime, e abraçou-os, tais quais eram.
Reconhecia que as tribunas da glória cultural de seu tempo se lhe mantinham cerradas, mas transmitiu as Boas Novas do Reino da Luz à multidão dos necessitados, inscrevendo-as na alma do povo.
Não ignorava que o mal lhe agrediria as mãos generosas pelo bem que espalhava; entretanto, não deixou de suportar a ingratidão e a crueldade, com brandura e entendimento.
Permanecia convicto de que as noções de verdade e amor que veiculava levantariam contra ele as matilhas da perseguição e do ódio; todavia, não desertou do apostolado, aceitando, sem queixa, o suplício da cruz com que lhe sufocavam a voz.
É por isso que o Natal não é apenas a promessa da fraternidade e da paz que se renova alegremente entre os homens, mas, acima de tudo, é a reiterada Mensagem do Cristo que nos induz a servir sempre, compreendendo que o mundo pode mostrar deficiências e imperfeições, trevas e chagas, mas que é nosso dever amá-lo e ajudá-lo mesmo assim.

Emmanuel, psicografada por Francisco Cândido Xavier.
Do livro Antologia Mediúnica do Natal.

O Anúncio Divino

Nascimento de Jesus

"Pois, na cidade de David, nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor".
Lucas: 2-11

A palavra do anjo aos pastores continua vibrando sobre o mundo, embora as sombras densas que envolvem as atividades dos homens.
Como aconteceu, há dois mil anos, a Espiritualidade anuncia que nasceu o Salvador.
Onde se encontram os que desejam a luminosa notícia?
Nas cidades e nos campos, há multidões atormentadas, corações inquietos, almas indecisas.
Muita gente pergunta pela justiça do Céu.
Longas fileiras de criaturas procuram os templos da fé, incapazes, porém, de ouvir o anúncio Divino.
A família cristã, em grande parte, experimenta a incerteza dos mais fracos.
Muitos discípulos cuidam somente de política, outros apenas de intelectualismo ou de expressões sectárias.
Entretanto, sem que o Cristo haja nascido na "Terra do Coração", a política pode perverter, a filosofia pode arruinar, a seita é suscetível de destruir pelo veneno da separatividade.
A paisagem humana sempre exibiu os quadros escuros do ódio e da desolação.
No longo caminho evolutivo, como sempre, há doentes, criminosos, ignorantes, desalentados, esperando a divina influência do Mestre. Muitos já ouviram ou pregaram as mensagens do Evangelho, mas, não desocuparam o coração para que Jesus os visite.
Não renunciam às cargas pesadas de que são portadores e, cedo ou tarde, dão a prova de que, nos serviços da fé, não passaram de ouvintes ou transmissores. No íntimo, não obstante a condição de necessitados, guardam, ciosamente, o material primitivista do "homem velho".
Esquecem-se de que Jesus é o amigo renovador, o Mestre que transforma.
Os séculos transcorrem.
As exigências de cada homem sucedem-se no caminho terrestre.
E a espiritualidade continua convidando as criaturas para as esferas mais altas.
Bendito, assim, todo aquele que puder ouvir a voz do anjo que ainda se dirige aos simples de coração, sentindo entre as lutas terrestres, que o Cristo nasceu hoje no país de sua alma.

Emmanuel. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

A oração

A oração para a inteligência que aceitou a luz da fé viva, em todas as circunstâncias, será:
UM TEMPLO – em cuja doce intimidade encontraremos paz e refúgio.
UMA FONTE – em que possamos aliviar a alma opressa.
UMA TORRE – da qual divisemos horizontes novos.
UMA ESTAÇÃO – que projete nossa mensagem de sofrimento ou de júbilo para o céu.
UM CAMPO – em que semeemos as bênçãos da intercessão e do amor.
UMA PASSAGEM – que nos confira acesso aos montes mais altos da vida.
UM BÁLSAMO – que cure nossas chagas interiores.
UMA LÂMPADA – que acendemos para a jornada.
UMA SENTINELA – que nos defenda contra o mal.
UMA FLOR – que espalhe o perfume de nossa esperança.
UM ALTAR – em que ouçamos a voz divina, através da consciência.
UM DIAPASÃO – que coloque nossos desejos no tom sublime da vontade celestial.
Jesus orou sempre.
Seja a prece a claridade diurna sobre o roteiro dos nossos destinos.

André Luiz, psicografia de Chico Xavier

Conteúdo sindicalizado